Mobile First: Vamos falar sobre AMP no e-commerce! - WebStorm Internet

Novidades

Voltar

Mobile First: Vamos falar sobre AMP no e-commerce!

28 de abril de 2017
10478121_958476030907378_1765787997985430638_n
por

Alexandre A. Neto

Dentro de alguns meses, o motor de buscas do Google dividirá seu índice de buscas, criando, a longo prazo, um índice principal e exclusivo mobile. O índice desktop será mantido, mas não será tão atualizado quanto o índice móvel.
Essa notícia foi informada no Pubcon em Outubro de 2016 durante um discurso de Gary Illyes, Webmaster Trends Analys do Google. Em sua palestra, Illyes não detalhou um cronograma, porém confirmou que isso aconteceria dentro de alguns “meses”.
Bem, 5 meses após a notícia ser veiculada, vemos que o Google já iniciou esse processo e as páginas AMP estão recebendo uma atenção especial durante as buscas.

E por que isso é relevante para os sites de comércio eletrônico?
Com a mudança do algoritmo do Google, as buscas para dispositivos móveis não serão extraídas do conteúdo HTML da página desktop. Priorizará-se um conteúdo mais “limpo” e menos sobrecarregado para as páginas mobile. Isso é algo definitivamente possível graças à AMP.
O AMP (Accelerated Mobile Pages) é um projeto de código aberto incentivado pelo gigante motor de buscas que visa reduzir os tempos de carregamento das páginas no celular. As páginas AMP são escritas em HTML com algumas tags especiais, além de sofrerem fortes restrições no uso de JavaScript e CSS.
Atualmente, as páginas AMP estão sendo priorizadas nos resultados de pesquisa mobile do Google. Porém, nenhuma declaração oficial foi divulgada sobre se estas páginas realmente possuem alguma prioridade SEO(Search Engine Optimization).

O Ebay foi o precursor em utilizar AMP em seu e-commerce. Até julho de 2016 estima-se que mais de 8 milhões de páginas de produtos estavam no formato AMP em sua plataforma.

Consulta Google AMP

Consulta Google AMP

Pensando em conversões
Uma interface sobrecarregada, código excessivamente grande, pop-ups diversos e botões fora de padrões são um pesadelo para a navegação em um dispositivo móvel. Tais itens interferem no carregamento final da página e podem gerar confusão para o usuário.
Sabemos que o tráfego orgânico (originado de buscas simples) gera bastante conversões quando bem trabalhado em um e-commerce e isso está fortemente ligado com o tempo de carregamento da página. Se o seu site é muito lento para carregar, muitos compradores vão buscar alternativas no site do concorrente.
Com a utilização do AMP a Google planeja uma redução de 15% a 85% no tempo de carregamento das páginas no celular.

E-Commerce
A AMP é muito acessível e bem aplicável para sites com conteúdo WEB estático(notícias, blogs, etc), porém ele ainda não pode ser ofertado para todos os tipos de sites.
Alguns dos problemas que foram observados são que o projeto AMP é algo relativamente novo e algumas funcionalidades do comércio eletrônico ainda não estão disponíveis para serem utilizadas(barras de pesquisa, filtros em geral, recurso de login, checkout, entre outros).
As páginas de produtos e listagens podem ser desenvolvidas utilizando o AMP e mostraram-se com um grande potencial pensando na navegação do usuário.

Pagina Produto AMP

Pagina Produto AMP

Você não precisa desenvolver todo seu site utilizando o AMP, comece com as páginas estáticas e continue atualizando progressivamente. Dessa forma você poderá começar a indexar páginas com conteúdo relevante e que não exigem a utilização de alguma funcionalidade ainda não suportada pelo projeto.
Em meu próximo artigo abordarei um guia passo a passo para o desenvolvimento do AMP em seu site de comércio eletrônico.

Será o fim do Mobile-friendly?
O “mobile-friendly” foi introduzido pela Google no final de 2014 como uma tentativa de incentivar o desenvolvimento de sites responsivos. Porém isso foi, de certa forma, uma adaptação para o ambiente mobile onde o desenvolvedor redimensiona os elementos desktop para a versão mobile.
Em alguns casos mais extremos temos um “continente” navegando na versão desktop e uma “pequena ilha” navegando na versão mobile.
A longo prazo o mobile-friendly não será “abandonado”, porém a Google priorizará o AMP pensando em um melhor carregamento de páginas e uma melhor interface para o usuário.

Seu site de comércio eletrônico não precisa ser 100% compatível com o AMP, porém começando a utilizá-lo agora poderá notar uma grande diferença em seu tráfego móvel.
Esse é um projeto novo, porém vem sendo adotado e atualizado constantemente por gigantes do mercado, vale a pena conferir.
A WebStorm é uma das empresas pioneiras na utilização do AMP nas páginas de comércio eletrônicos brasileiros, entre em contato conosco para saber como experimentar esse novo recurso e saia na frente de seus concorrentes!